Categorias
Educação Infantil Experiências Municípios Fotos Guarulhos Instrumentos Musicais Música Podcast Projetos Vídeos

Instrumentistas da Gru Sinfônica elaboram atividades musicais para o Programa Saberes em Casa

A pandemia do novo Coronavírus frustrou expectativas e mudou os planos de muita gente. Mas o que realmente tem chamado a atenção aqui e ali é o modo como pessoas e instituições estão se reinventando para fazer a diferença e se adaptar ao “novo normal”. E foi a partir dessa necessidade de adaptação que os novos instrumentistas da Orquestra Gru Sinfônica, envolvidos com o Projeto Música nas Escolas, passaram a elaborar atividades musicais para o Programa Saberes em Casa, modo como a Secretaria de Educação garante acesso a todos os alunos da rede municipal às atividades educativas neste período de distanciamento social. 

A Gru Sinfônica integra o Projeto Música nas Escolas, uma iniciativa da Secretaria de Educação que oferece aulas de iniciação musical aos alunos nas unidades escolares, promovendo sua integração e convívio com o universo da música. Nesse período em que as aulas estão suspensas, a criação de atividades musicais para o quadro Falando de Música, do Programa Saberes em Casa, foi a alternativa encontrada para dar continuidade ao Projeto Música nas Escolas.

Um trabalho feito por mãos habilidosas

O maestro Emiliano Patarra, diretor do Conservatório de Guarulhos e regente da Gru Sinfônica, explica que, além dos instrumentistas da Gru Sinfônica, o Falando de Música conta com valiosa rede de ajuda do Departamento de Orientações Educacionais e Pedagógicas (DOEP), de professores de música da Rede Municipal e do Conservatório para garantir atividades focadas em diferentes saberes como, por exemplo, o acesso aos elementos constitutivos da música (altura, intensidade, timbre, melodia, ritmo, entre outros).

O ponto central da atividade é que a vivência musical faça parte do cotidiano das crianças e de suas famílias. Para isso, há um esforço muito grande para que todo o conteúdo abordado esteja conectado com o dia a dia dessa criança, que ela perceba mais música e mais som no cotidiano no qual está inserida”, observa Patarra.

O maestro explica ainda que, em um primeiro momento, essa equipe formada por pedagogos, professores de música e instrumentistas da orquestra idealizaram conteúdos, conceitos e tipos de vivências que seriam oferecidos para as crianças.

Assim, ficou decidido que os quadros dos primeiros programas deveriam inserir as crianças em um percurso sonoro e mostrar, entre tantas possibilidades, quais eram os instrumentos de uma banda musical e de uma orquestra, o modo de funcionamento da voz ao cantar, além de conceitos abstratos do mundo artístico, vinculados aos conhecimentos prévios que as crianças já possuem. 

“Foi daí que surgiu um episódio que associou as diferentes seções de uma música (introdução, clímax, desfecho), com as partes do corpo. Outra série do programa focou o entendimento rítmico a partir das batidas do coração. Para falar do timbre, em um episódio divertido chamado “A cara do som”, as crianças em casa puderam perceber que, mesmo sem olhar, elas sabem identificar quem está falando pelo timbre, se é o pai, o tio, o irmão ou a mãe”, exemplifica.

De acordo com Patarra, toda essa construção sempre está permeada de atividades lúdicas, com jogos e brincadeiras, canções e práticas diversas de composição/criação, execução e apreciação musical que facilitam o entendimento.

Compartilhando aprendizagens e saberes 

Fabíola Moreira da Costa, pedagoga e chefe de Divisão Técnica de Formação do DOEP, enfatiza que o grande objetivo do Falando de Música é permitir que as crianças possam se apaixonar pelo desconhecido, o inusitado.

“Nosso papel como departamento pedagógico é justamente auxiliar os professores nas questões voltadas ao Quadro de Saberes Necessários e como colocar as aprendizagens no programa. Os professores e músicos gravam os vídeos, sob a supervisão e coordenação do Maestro Emiliano, que depois nos passa para que possamos ver se está de acordo com a linguagem das crianças e outros aspectos relacionados à proposta. Uma grande parceria e muita troca de conhecimentos. É muito interessante ver como os músicos da Orquestra Gru Sinfônica se alinharam ao trabalho dos professores especialistas de música da rede, entendendo o público com o qual estão trabalhando, a cada vídeo uma surpresa e novos conhecimentos”, explica Fabíola.

A pedagoga se anima ao falar do retorno positivo desse trabalho, a carinhosa devolutiva das crianças e de suas famílias, que mandam para as escolas registros do que assistiram, através de desenhos, vídeos e publicações compartilhadas nas redes sociais e com os professores das escolas, e principalmente, dos desafios diários que transformaram a rotina dos alunos da Rede Municipal.

Esse é o caso de Lilian Moura, mãe da aluna Laura Viana Peres da Silva, de 8 anos, estudante da EPG Dorcelina de Oliveira Folador, na região dos Pimentas. Entusiasta do Programa Saberes em Casa, Lilian é assídua colaboradora das redes sociais da Secretaria de Educação, sobretudo do Instagram do Portal SE Informe, com conteúdos das atividades que a filha realiza.

“O Programa Saberes em Casa é muito completo e tem conteúdos e desenhos que aguçam a criatividade e curiosidade das crianças. Os temas são muito interessantes e têm continuidade de um episódio para outro da semana. Com ênfase no quadro Falando de Música, a proposta despertou bastante o interesse da Laura, pois ensina às crianças sobre as notas musicais, apresentam vários tipos de instrumentos e ritmos, e mostra como elas podem construir instrumentos musicais em casa com o uso de materiais reutilizáveis”, conta a mãe.

Lilian explica que a relação de Laura com a música vem de cedo. Desde pequena, ela faz aulas de dança e capoeira, aprendeu a tocar instrumentos de percussão, tem noções de ritmo e audição bastante aguçada. 

A conversa com Laura é rápida, mas bastante divertida. Como sua mãe havia dito, ela também conta que está achando o Falando de Música bem legal, principalmente as musiquinhas: “Eu aprendi as notas musicais, que eu sabia mais ou menos, também aprendi o nome dos instrumentos, a flauta, o tambor. Eu comecei a gostar de música com mais ou menos um aninho. Desde que eu nasci, já fazia capoeira e também danço ballet. Os instrumentos que eu sei tocar são atabaque, berimbau, pandeiro e reco reco”

Multiplicado as formas de nos comunicar

Depoimentos como o de Lilian e Laura deixam o violinista Allan Sanches bastante entusiasmado. O jovem instrumentista da Gru Sinfônica é um dos músicos engajados com a rotina de elaboração das atividades do Falando de Música, e tem se mostrado muito satisfeito com a nova experiência. Contudo, ele confessa que, entre o presencial e o virtual, ainda prefere o calor das aulas presenciais:

“A equipe está dividida entre pessoas que vão elaborar roteiros, captação de imagens, fotos, criação de ilustrações e edição. Em um dos projetos, participei da elaboração do conteúdo e edição, uma experiência muito bacana, com a qual todos os músicos da orquestra estão verdadeiramente envolvidos”, explica o músico, todo sorridente.

O professor de música da rede municipal, Charles Pinheiro, conta que a experiência de elaboração das atividades musicais para o Falando de Música tem sido muito enriquecedora para todos os professores. Charles também destaca as práticas pedagógicas dos professores da rede, que têm se empenhado na elaboração de atividades a partir das orientações do Programa Saberes em Casa, criando vídeos e canais para disponibilizar conteúdos online, aprendendo a filmar, editar e a pensar pedagogicamente para um tipo de mediação digital.

“Eu penso que, quando tudo isso terminar e nós estivermos frente a frente com nossos alunos, presencialmente, nós teremos um recurso a mais, teremos multiplicado a forma de nos comunicar com eles. Acredito que a rede municipal vai ganhar bastante com essa experiência e torcemos para que possamos experimentar isso logo. Nada substitui o contato presencial, acredito que a rede agiu rápido no sentido de dispor e se preocupar com as ações que deveria tomar, a pandemia nos uniu bastante, nos provocou a reflexão e a ação e entendemos que não podíamos enfrentar esse momento separados, precisávamos fazer isso juntos, e isso tem sido muito bom”

Quem conhece bem o maestro Emiliano Patarra, sabe que não há exagero algum em dizer que ele anda sempre com um olho no gato e outro no peixe.  

“Essa é uma atividade que vem se mostrando como uma possível proposta de oferta de conteúdo, de vida musical para quem eventualmente não tem condições de contato presencial com a música. É importante dizer que, do ponto de vista da Gru Sinfônica, há um estudo para que o Falando de Música se torne um programa permanente, mesmo quando a atividade pedagógica regular voltar ao normal. Dessa forma, o Programa Música nas Escolas tem a possibilidade de chegar em muito mais gente”, vislumbra o maestro.

Nesse período de pandemia, viver com intensidade um dia após o outro tem sido um dos grandes aprendizados. Sem dúvida, se depender da graça, alegria, envolvimento, habilidade e sentimento de pertencimento que o Programa Saberes em Rede tem despertado em todos, o novo normal será ainda mais emocionante como jamais antes foi.

Portal SE Informe

No podcast SE Informe desta semana, disponível nos aplicativos Spotify, Google Podcasts, Anchor, Breaker, Overcast, Pocket Casts e RadioPublic, vamos falar das atividades musicais elaboradas pelos instrumentistas da Orquestra Gru Sinfônica, envolvidos com o Projeto Música nas Escolas para o Programa Saberes em Casa. 

Nesse período em que as aulas estão suspensas, a criação de atividades musicais para o quadro Falando de Música, do Programa Saberes em Casa, foi a alternativa encontrada para dar continuidade ao Projeto Música nas Escolas.

Neste episódio, o maestro Emiliano Patarra, diretor do Conservatório de Guarulhos e regente da Gru Sinfônica, conta como o quadro Falando de Música vem sendo construído com valiosa rede de ajuda do Departamento de Orientações Educacionais e Pedagógicas (DOEP), de professores de música da Rede Municipal e do Conservatório para garantir atividades focadas em diferentes saberes como, por exemplo, o acesso aos elementos constitutivos da música (altura, intensidade, timbre, melodia, ritmo, entre outros).

Ouça aqui o Podcast SE Informe:

https://anchor.fm/portalseinforme/episodes/005—Instrumentistas-da-Gru-Sinfnica-elaboram-atividades-musicais-para-o-Programa-Saberes-em-Casa-eha3po/a-
a2q3cu7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *